Os ternos masculinos no decorrer das décadas

Os noivos também têm espaço por aqui! Depois de falarmos sobre o centenário dos vestidos de noiva, vamos mostrar a evolução da moda masculina. As mudanças são relativamente menores e tiveram pouquíssimas transformações, mas os ternos, fraques e smokings sempre foram atemporais. Eles nunca saíram de moda, apenas foram sendo reinventados (em poucas variações).

Buscando a origem da palavra, terno significa três peças (conjunto de calça, paletó e colete) usado como vestimenta pelo homens desde o século XIX.

Por volta de 1910, a moda foi inspirada pelos trajes militares da primeira guerra mundial, com as calças de corte reto, estreitas e mais curtas (mostrando um pouco das meias). Os homens usavam também os ternos curtos e os fraques eram bastante utilizados em ocasiões formais. Já na década de 20, as calças ficaram mais largas e os paletós mais compridos e cinturados. Meias e gravatas sempre combinando entre si e um lenço branco no bolso do paletó era um acessório indispensável. Os cidadãos de classe alta usavam cartola e os de classe média um chapéu.

Foi em 1930 que os famosos trajes em riscas de giz entraram em alta definitivamente. Em meados dos anos 40, as lapelas ficaram mais largas e os ternos mais escuros tomaram conta dos salões de festas. Entretanto, em decorrência da guerra, houve uma escassez de tecidos, fazendo com que os bolsos não tivessem abas ou fossem os famosos “bolsos falsos”.

Logo depois as barras das calças ficaram mais compridas. Foi uma febre de gravatas coloridas e mais largas. Foi nesse período também que a cor preta passou a não ter mais o significado de “luto”. Porém, somente na década de 60, com o famoso criador francês Pierre Cardin, que a moda masculina ficou um pouco mais democrática, com uma modelagem um pouco mais jovem. Nos anos 70 os homens já usavam ternos mais coloridos, com uma infinidade de cores e tecidos.

Chegando já no final dos anos 80, as cores sóbrias dos ternos e gravatas voltaram às passarelas e, no início do ano 2000, as listras e estampas entram no cenário com cortes mais estreitos. Posteriormente, há um retorno das diversas cores de ternos e gravatas.

Nos dias atuais, a moda masculina ficou mais democrática. Os noivos estão fugindo, cada vez mais, do que é considerado tradicional. Em 2017 o marsala foi muito procurado para os ternos. E a tendência para 2018 é o azul. Os estilistas apontaram que: #BlueIsTheNewBlack.

– Fotos: reprodução da internet.

O ideal é escolher o que mais se encaixa com o estilo do seu casamento e o traje que irá se sentir melhor e mais confortável. Em 2018 os padrões serão cada vez mais rompidos, onde o que impera é a criatividade! Não tenha medo de inovar!

Conte para nós: que traje mais agrada vocês?